Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/4757
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Mapeamento geológico na área entre Bananal e Arapeí (SP)
Autor(es)/Inventor(es): Garcindo, Lucas Balsini
Orientador: Trouw, Rudolph Allard Johannes
Resumo: A Faixa Ribeira é parte de um conjunto contínuo de cinturões móveis do Neoproterozoico ao início do Paleozóico, gerados entre 700 e 450 Ma, durante a amalgamação do Supercontinente Gondwana. A estrutura crustal do segmento central da Faixa Ribeira é definida por dois grandes terrenos tectono-estratigráficos, denominados Ocidental e Oriental (Heilbron et al., 1995). O escopo deste trabalho foi o estudo detalhado de uma área de transição entre o Complexo ou Terreno Embu e a Klippe ou Terreno Paraíba do Sul, incluindo o lineamento do Rio Gavião. A área de mapeamento localiza-se entre os municípios de Bananal e Arapeí, no extremo leste do Estado de São Paulo, divisa com o Rio de Janeiro. Foram cartografados 134 afloramentos, de onde foram coletadas amostras para confecção de lâminas delgadas das diferentes unidades de mapeamento. Os dados de campo e laboratório foram integrados no mapa geológico 1:50000, seções, análises petrográficas, estruturais e microtectônicas. As unidades de mapeamento são representadas por uma sucessão metassedimentar de médio a alto grau com corpos intrusivos ortoderivados pré a sincolisionais. Foram divididas em: sillimanita-granada-biotita gnaisse, paragnaisse, hornblenda biotita gnaisse, ortognaisse porfirítico e granito gnaisse. As unidades paraderivadas encontram-se associadas a rochas calcissilicáticas, mármores, metaprecipitados químicos, quartzitos e anfibolitos. As estruturas possuem direção NESW predominante. Foram medidas 114 foliações e 32 lineações de estiramento em sua maioria; alguns eixos de dobras e planos axiais. Foram identificadas 3 fases de deformação: fase D1 com foliação S1 preservada entre planos da foliação principal S2 dobrada por D2; fase D2 com ocorrência de dobras fechadas a isoclinais ou em bainha com foliação plano axial mergulhando para NW e lineação de estiramento paralelas aos eixos das dobras, e localmente zonas de cisalhamento subparalelas à foliação com transporte de topo para SW; fase D3 com dobras abertas a fechadas ou em caixa e crenulações com planos axiais verticais a subhorizontais e eixos subparalelos aos eixos das dobras D2. O pico de metamorfismo está associado à foliação principal D2 pelas evidências de minerais sin a tardi-tectônicos característicos de um metamorfismo regional de alto grau. As rochas de protólito pelítico apresentaram a associação sillimanita, granada, K-feldspatos e plagioclásio em equilíbrio químico em condições de temperatura entre 650-750 ºC e pressão litostática entre 5-7 kbar, nos campos de estabilidade relativos à facies anfibolito de média pressão. Na combinação entre os gráficos P-T para rochas pelíticas e máficas, observou-se a sobreposição dos campos de estabilidade em conjunto, resultando em um campo entre 650-750 ºC, conforme observados no metamorfismo das rochas calcissilicáticas e mármores, concordando de certa forma com o campo de estabilidade das rochas de protólito pelítico. Esta combinação resulta em um metamorfismo de facies anfibolito alto de média pressão. A análise microtectônica identificou: a foliação principal como S2; a biotita e muscovita de granulação muito fina que marca resquícios da foliação preservada S1, foram interpretadas como sin-D1 a tardi- D1; a fase D2 está bem representada pelo sobrecrecimento de sillimanita sin a tardi-D2 em arcos poligonais na crenulação da foliação S1, assim como paralelo a S2; na fase D3 é possível observar uma crenulação complexa, com microdobras em caixa redobrando S2, com traços de planos axiais variáveis. Não foram encontrados indícios de zonas de cisalhamento expressivas e nem ocorrência de milonitos que sustentem a hipótese de um contato tectônico no lineamento Rio Gavião. As unidades de mapeamento comportam-se contínuas de um lado a outro do lineamento em questão, com os mesmos tipos de rochas e estruturas, sendo interpretados como sendo pertencentes a uma mesma entidade tectônica.
Palavras-chave: Faixa Ribeira
Complexo Embu
Bananal
Mapeamento geológico
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Mar-2013
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/4757
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
GARCINDO, L.B.pdf5,5 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.