Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/5881
Type: Trabalho de conclusão de graduação
Title: Antropofagia queer: imagem, (trans) gênero e poder
Author(s)/Inventor(s): Silva, Mariah Rafaela Cordeiro Gonzaga da
Advisor: Bartholomeu, Cézar Tadeu
Abstract: A antropofagia queer é a ação que produz uma estética capaz de questionar normas de gênero e sexualidade. Além disso, torna visíveis opressões instituídas culturalmente e que de alguma forma empurra para margem transexuais, travestis, gays, lésbicas, pessoas cisheterossexuais cujos corpos não respondam à norma. Nesse sentido, a estética queer funciona como um mecanismo capaz de elencar visibilidades (im) possíveis no “cistema”. Além disso, põe em cena repertórios e objetos de arte produzidos por pessoas trans, e não trans, antes A antropofagia queer é a ação que produz uma estética capaz de questionar normas de gênero e sexualidade. Além disso, torna visíveis opressões instituídas culturalmente e que de alguma forma empurra para margem transexuais, travestis, gays, lésbicas, pessoas cisheterossexuais cujos corpos não respondam à norma. Nesse sentido, a estética queer funciona como um mecanismo capaz de elencar visibilidades (im) possíveis no “cistema”. Além disso, põe em cena repertórios e objetos de arte produzidos por pessoas trans, e não trans, antes atrelados às engrenagens de um dispositivo maior que supostamente busca cristalizar uma relação direta entre sexo, gênero e orientação sexual; as amarras do “cistema” produzem, constantemente, subjetivação. Imagem, gênero e poder são “eixos pragmáticos” que buscam trazer à luz da compreensão, através da arte, os modos de produção de subjetividades e de sujeitos. Essa “geopolítica das forças”, onde o queer é o sujeito “subalterno” que busca lugar nos espaços institucionais de poder, entra em atrito a partir da produção de artistas cisgêneros que enxergam no corpo trans potências de questionamento da “tradição pictórica”. A multidão queer ganha voz e ela quer gritar, “bater cabelo”, existir! atrelados às engrenagens de um dispositivo maior que supostamente busca cristalizar uma relação direta entre sexo, gênero e orientação sexual; as amarras do “cistema” produzem, constantemente, subjetivação. Imagem, gênero e poder são “eixos pragmáticos” que buscam trazer à luz da compreensão, através da arte, os modos de produção de subjetividades e de sujeitos. Essa “geopolítica das forças”, onde o queer é o sujeito “subalterno” que busca lugar nos espaços institucionais de poder, entra em atrito a partir da produção de artistas cisgêneros que enxergam no corpo trans potências de questionamento da “tradição pictórica”. A multidão queer ganha voz e ela quer gritar, “bater cabelo”, existir!
Keywords: Arte contemporânea
Transexualidade
Antropofagia
Subjetividade
Subject CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::ARTES::FUNDAMENTOS E CRITICA DAS ARTES::HISTORIA DA ARTE
Department : Escola de Belas Artes
Publisher: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Issue Date: 29-Mar-2016
Publisher country: Brasil
Language: por
Right access: Acesso Aberto
Citation: SILVA, Mariah Rafaela Cordeiro Gonzaga da. Antropofagia queer: imagem, (trans) gênero e poder. 2016. 86 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História da Arte) - Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.
URI: http://hdl.handle.net/11422/5881
Appears in Collections:História da Arte

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MSilva.pdf2,1 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.